SPLASH (antiga OOPSLA)

OOPSLA

Em 1985, um grupo de 4 pioneiros em programação orientada a objetos decidiu organizar nos EUA uma conferência sobre programação de sistemas orientados a objetos. No grupo estavam Adele Goldberg, Tom Love, David Smith, and Allen Wirfs-Brock, e a conferência foi chamada de OOPSLA (Object-Oriented Programming, Systems, Languages, and Applications). A primeira OOPSLA aconteceu no Hotel Marriott, em Portland, Oregon, em novembro de 1986. Cerca de 600 pessoas participaram, 50 artigos foram apresentados e os participantes ouviram sobre Smalltalk, Lisp, Flavors, CommonLoops, Emerald, Trellis/Owl, Mach, Prolog, ABCL/1, prototypes, e programação concorrente e distribuída de pessoas como Danny Bobrow, Gregor Kiczales, Rick Rashid, Andrew Black, Dave Ungar, Henry Lieberman, Ralph Johnson, Dan Ingalls, Ward Cunningham, Kent Beck, Ivar Jacobson e Bertrand Meyer.

Essa gama enorme de tópicos e pesquisadores definiu o tom da conferência, que se tornou forum para alguns dos principais desenvolvimentos de software das últimas duas décadas. Foi na OOPSLA que nasceram coisas como cartões CRC, CLOS, Padrões de Projeto (Design Patterns, Self, métodos ágeis, arquiteturas orientadas a serviço (SOA), wikis, UML, TDD, refatoração, Java, compilação dinâmica, programação orientada a aspectos, só para citar algumas delas. Nem sempre falando sobre objetos, mas nunca deixando o assunto de lado, a conferência cresceu de 600 para 2500 participantes no seu pico, sendo ainda forte com cerca de 1300 pessoas mesmo depois do surgimento de uma série de conferências sobre padrões, Eclipse, EclipseCon, Agile e AOSD.

No final dos anos 90 – com o sucesso de Smalltalk e Java nos negócios e C++ na engenharia – OO se tornou amplamente adotada e a OOPSLA mudou de uma conferência que trabalhava para tornar OO prático e compreensível para trabalhar nos problemas do mundo sempre mutante da computação, tanto na inventando novas técnicas e tecnologias quanto melhorando e expandindo teorias. O que permaneceu foi a paixão por inovação e o hábito de criar comunidades.

Onward!

No começo dos anos 2000, algumas pessoas da OOPSLA sentiram que a conferência se beneficiaria muito se fosse criada uma nova trilha de publicação de artigos focados em ideias inovadoras além de OO, e em formatos de artigos que normalmente não seriam aceitos na OOPSLA. Nasce então a Onward!, coordenada por Richard Gabriel. Onward! foi a primeira conferência patrocinada pela ACM a dar voz a “artigos ideias” no âmbito da aceitação acadêmica. Muitas outras conferências seguiram esse modelo depois.

SPLASH

Na metade dos anos 2000, ficou claro que a estrutura de organização da OOPSLA e Onward jutas precisavam ser refatoradas, não apenas para que ambas existissem ao mesmo tempo, mas também para fornecer a possibilidade de incluir novas trilhas de artigos, mantendo a conferência nova e moderna. Depois de vários debates entre as comunidades, ficou finalmente decidido criar um guarda-chuvas de conferências: assim nasceu a SPLASH, a conferência da ACM em Sistemas, Programação, Linguages e Aplicações: Software para a Humanidade.

Desde 2010, a SPLASH tem mantido e administrado a OOPSLA, Onward! e uma variedade de outros eventos, como o Simpósio de Educadores, Workshop de Experiências, Painéis, etc. OOPSLA é hoje “apenas” a trilha técnica de artigos de pesquisa de alta-qualidade, que foi desde o início o coração desse conferência. Ao mesmo tempo, a OOSPLA aumentou o escopo de tópicos muito além de OO, aceitando hoje uma enorme variedade de artigos relacionados a programação. Ao criar a SPLASH como um guarda-chuvas de conferências, a comunidade pode agora sustentar novas trilhas de artigos que eventualmente não cabem na OOPSLA, mas que ainda sim são relacionados. Assim, permite-se o espaço para inovação, assim como aconteceu com a Onward!

E eu com isso?

Esse ano (2011), eu terei o privilégio de participar da SPLASH pela primeira vez (algo que eu já gostaria de ter feito há bastante tempo 🙂

A SPLASH tem um programa de Estudantes Voluntários, onde nós, estudantes, podemos participar da conferência de graça em troca de algumas horas de trabalho para ajudar na organização. Eu me inscrevi nesse programa de estudantes voluntários e fui aceito.

Além disso, eu tive dois artigos aceitos: um na Onward! e outro na PLoP (outra conferência que faz parte do guarda-chuvas da SPLASH). Para esses dois artigos, participarei do que eles chamam de Writers Workshop (Workshop de Escritores). O objetivo é trabalhar durante várias horas junto com os maiores (acreditem, são os maiores mesmo!) especialistas da área e anotar sugestões de melhorias para os artigos, que posteriormente farão parte das publicações científicas da conferência. Acima de tudo, é uma oportunidade maravilhosa de aprender muito e conhecer muita gente legal.

Depois que os artigos ficarem prontos (e bem melhorados após os comentários das pessoas na conferência) eu publico aqui nesse Blog.

Próximos passos

Ao longo da próxima semana, farei (na medida do possível 🙂 alguns posts aqui nesse blog contando um pouco mais sobre essa conferência incrível. Farei, como de costume, várias fotos e, talvez, alguns vídeos. Dessa forma, consigo compartilhar um pouquinho dessa experiência quem não pôde ir desta vez!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *