Evolução do Ecossistema de Startups: um Modelo de Maturidade

“Ecossistema de startups de São Paulo ainda é pouco maduro”, diz autor doutorado no tema

Daniel Cukier, doutorando do IME-USP, estudou as startups de São Paulo, Nova Iorque e Tel Aviv e criou método para avaliar maturidade do ecossistema. Defesa do trabalho será no Campus do Google

Os chamados ecossistema de startups não são novos.  Alguns desses centros tecnológicos compostos pela relação entre  empreendedores, universidades, empresas, incubadoras, aceleradoras, fundos de investimentos, entre outros já existem há mais de 50 anos, como no Vale do Silício, um dos mais antigos do mundo e de onde saíram gigantes da tecnologia como Google, Facebook, Apple.

Com o avanço da internet, dos dispositivos móveis e dos serviços de nuvem, as startups se tornaram assunto da moda, fazendo surgir novos ecossistemas ao redor do mundo. “É um desafio comparar centros de inovação, pois têm graus de evolução e maturidade diferentes. Aprender com os exemplos é importante, mas sem imitá-los. Cada ecossistema tem que focar nas suas qualidades e necessidades”, diz Daniel Cukier, aluno de doutorado do grupo de empreendedorismo digital do Departamento de Ciência da Computação do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo.

Ele passou os últimos 6 anos analisando startups de vários ecossistemas, entrevistando dezenas de empreendedores em Tel Aviv, São Paulo e Nova Iorque, além de outros agentes importantes como fundos de investimentos, gestores de universidades, aceleradoras, incubadoras e gestores públicos.

O doutorando desenvolveu, junto com seu orientador, Prof. Fabio Kon, uma metodologia para avaliar o grau de evolução de cada ecossistema em 4 níveis: (1) Nascente, (2) Evoluindo, (3) Maduro, (4) Autossustentável. A tese “Evolução do ecossistema de startups: um modelo de maturidade”,  coloca Nova Iorque e Tel Aviv no grau 4 de evolução, enquanto São Paulo é avaliado com nota 2. Para ser considerado “autossustentável”, o ecossistema precisa de tempo e muito trabalho para amadurecer.

As principais sugestões de melhoria para São Paulo apontados pela pesquisa são:

  • Criação de mais eventos sobre empreendedorismo

  • Fomento à educação de técnicas de empreendedorismo nas universidades

  • Aumentar a prática de compartilhamento de casos de sucesso

  • Diminuir o risco para empreender, com políticas tributárias diferenciadas para startups e menor burocracia

  • Aumento do investimento em startups tanto de agências de fomento e instituições públicas quanto de grupos privados.

A metodologia criada permite também analisar outros importantes ecossistemas brasileiros como Campinas, Belo Horizonte, Florianópolis, Recife, identificando lacunas e propondo ações práticas e personalizadas que possam resultar em melhorias significativas e levar esses ecossistemas ao próximo nível de desenvolvimento.

A defesa de doutorado será apresentada no dia 2 de maio de 2017 no auditório do Google Campus, um dos mais importantes espaços para empreendedorismo da capital. “Faz muito sentido que a defesa de um trabalho que reflete, entre outras coisas, sobre o envolvimento da universidade com o ecossistema empreendedor, seja feita em um espaço que respira inovação, como o Google Campus ”, disse o orientador, Fabio Kon.

A banca examinadora terá alguns nomes de peso da academia, como Ary Plonsky da FEA-USP, Marcelo Nakagawa do INSPER, Paulo Lemos da UNICAMP, além da presença internacional da pesquisadora especialista em startups Xiaofeng Wang, da Universidade de Bolzano, Itália.

O evento é gratuito e aberto ao público em geral. Inscrições com vagas limitadas pelo link http://bit.ly/defesa-doutorado

Horário: 2/5/2017 – 14h

Local: Google Campus – Rua Coronel Oscar Porto, 70 – Paraíso

 

18049858_10155166631881250_1545781179_o.jpg

 

Small EC2 cloud usage demo for choreographies

The CHOReOS middleware must be capable of providing the required runtime support to deploy, enact, monitor, and dynamically reconfigure large-scale choreographies. These choreographies might be large scale in one or more of the following dimensions: number of requests, users, roles, services, nodes, and communication among services. For instance, the middleware should be scalable enough to accommodate choreography with 1 thousand simultaneous users or with 100 different roles, or with 100 services for a given role, or with thousands of messages exchanged per second.

Continue reading

15 Perguntas e Respostas sobre Ciência da Computação


Nas últimas semanas troquei algumas conversas com amigos que, coincidentemente, tiveram o mesmo tema. Paralelamente a isso, fui indicado por uns professores do IME a responder um questionário que ajudará alunos ingressantes na Universidade a escolherem o curso que possivelmente definirá todo o resto de uma vida. Esse questionário será respondido por algumas pessoas e existe um grupo que está encarregado de colher as informações e colocar no site do IME-USP. Decidi tornar a resposta do meu questionário pública, para aqueles que querem saber um pouco mais sobre o que é Ciência da Computação, tanto no nível acadêmico quanto profissional. Me coloco a disposição para responder perguntas e ouvir sugestões.

1 – O que o motivou a fazer Ciência da Computação?

Eu sempre tive interesse por Computação. Comecei cedo na área, quando ganhei meu primeiro 386 em 1992, isso sem contar o TK3000 que eu ganhei quando era criança e o MSX de um amigo, com o qual eu passava horas digitando códigos em BASIC que na época se comprava em banca de jornal. Na minha primeira tentativa de entrar na faculdade, eu prestei Engenharia Mecatrônica. Eu acho que naquela eu era muito influenciado pelo que meus pais falavam e eles comentavam muito sobre essa tal de Mecatrônica. Eu prestei sem nem saber direito o que era e tive a grande sorte de não ter entrado 🙂
No ano seguinte, fiz cursinho e estudei melhor quais eram as faculdades que existiam e o que elas ofereciam. Achei que Ciência da Computação se encaixava exatamente no que eu gostava de fazer: software.

2 – O que o levou na época a escolher o BCC da USP?

Estava dentro dos meus objetivos fazer uma faculdade pública e gratuita. Não queria mais que meus pais tivessem gastos com meus estudos e me sentia capaz de entrar numa Universidade pública boa. Prestei UNESP, UNICAMP e USP, além do Mackenzie. A única que eu não entrei, por muito pouco, foi a UNICAMP. Mas mesmo se tivesse entrado, acho que escolheria a USP, não por eu considerar a melhor (acho que UNICAMP e USP são equivalentes), mas pelo fato de eu já morar em São Paulo.

3 – Como você avaliaria sua formação no BCC?

Continue reading