Convite – exame de qualificação doutorado – Startup Ecosystem Framework

Convido colegas e professores ao meu exame de qualificação de Doutorado em Ciência da Computação, trabalho do grupo de pesquisa em Empreendedorismo de Software do IME-USP

Título: Startup Ecosystem Framework

Candidato: Daniel Cukier
Data: Terça-feira, 31 de março de 2015
Horário: 10:00 horas
Local: IME-USP, sala 2 – Bloco B

Comissão julgadora:

MEMBROS TITULARES
Prof. Dr. Fabio Kon (Presidente) IME – USP
Prof. Dr. Guilherme Ary Plonski FEA – USP
Prof. Dr. Paulo Antonio Borges Lemos UNICAMP

MEMBROS SUPLENTES
Prof. Dr. Marco Aurélio Gerosa IME – USP
Prof. Dr. Martinho Isnard Ribeiro de Almeida FEA – USP

Resumo:

After the popularization of Internet in the 90s and the mobile technologies in the 2000s, we saw an amazing growth on creation of new high-tech companies around the globe. Most of these companies, known as startups, are born in technology clusters also called startup ecosystems. The objective of this PhD research is to advance the understanding of how software startups work, what are the elements that influence their behavior and how startups relate with other players in their ecosystem. For that, we are developing a conceptual framework model by using qualitative research techniques. In these presentation, we will explain the methodology, as well as the preliminary results for both São Paulo and Israeli ecosystems and the expected outputs of a third case-study in a mature ecosystem

Palestra: Investigações em Arte Digital e Processamento de Imagens

Palestrante: Prof.Dr. Giorgio Moscati

Horário: 16 horas

Resumo: Uma contribuição inovadora da USP nas suas origens, em 1969, em colaboração com o renomado Artista Concretista Waldemar Cordeiro participei de uma rica experiência em Arte Digital, que foi logo reconhecida por especialistas internacionais como inovadora, e continua sendo amplamente citada até hoje. Pretendo relatar nossa colaboração, sua receptividade pelos artistas e a relação que tem com diversas áreas da Ciência, Arte e Tecnologia. O trabalho foi inovador no campo das tecnologias de comunicação visual, pois é considerado um dos primeiros trabalhos que envolveu processamento de imagem num novo nível, que hoje é a base da comunicação visual na televisão, e nas imagens apresentadas para o lazer e marketing. Foi também precursor no campo da análise de informações obtidas na forma de imagens e para sua interpretação. Outro aspecto importante, frequentemente lembrado é o da potencialidade da colaboração entre  especialistas em áreas diversas, capazes de se comunicar e interagir, em abordagens inovadoras em campos anteriormente inexplorados.
Continue reading

Better Science Through Art

CCSL sponsors the coming of two big names of Computer Science to Brazil. They will be here next week (March 30th, 31th), at the Event “Better Science Through Art” with Joe Yoder and Richard Gabriel. The event will be awesome and FREE!

Common wisdom says that science and art are entirely different beasts; moreover, a similar source of wisdom tells us that science is valuable to society while art is a luxury. Why else would schools drop art from their curricula over the past 20 years? But artists and scientists approach their work in similar if not identical ways.
Continue reading

More about CHOReOS

The CHOReOS Solution

CHOReOS will implement a framework for scalable choreography development. The goal is to enable domain experts to develop decentralized ultra-large scale (ULS) solutions composed of heterogeneous services that are adaptable and QoS (Quality-of-Service) aware. Prior to this, these solutions were only possible with the support of dedicated IT professionals to provide the skills needed for architectural design and software engineering.
CHOReOS will deliver formally grounded abstractions and models, dynamic choreography-centric development processes, governance and service-oriented middleware manipulated via an Integrated Development Runtime Environment (IDRE) aimed at overcoming the ULS impact on software system development.
Continue reading

What is CHOReOS?

Next month I’ll start my PhD program @ University of São Paulo.

I’ll work on a project called CHOReOS – Large Scale Choreographies for the Future Internet. People are asking me what is this project, what I will study, what exactly I’ll do and I have a simple answer to these questions: I don’t know. I mean, I don’t know exactly. But I know it’s cool and that I will be involved with great people. That’s enough.
Continue reading

15 Perguntas e Respostas sobre Ciência da Computação


Nas últimas semanas troquei algumas conversas com amigos que, coincidentemente, tiveram o mesmo tema. Paralelamente a isso, fui indicado por uns professores do IME a responder um questionário que ajudará alunos ingressantes na Universidade a escolherem o curso que possivelmente definirá todo o resto de uma vida. Esse questionário será respondido por algumas pessoas e existe um grupo que está encarregado de colher as informações e colocar no site do IME-USP. Decidi tornar a resposta do meu questionário pública, para aqueles que querem saber um pouco mais sobre o que é Ciência da Computação, tanto no nível acadêmico quanto profissional. Me coloco a disposição para responder perguntas e ouvir sugestões.

1 – O que o motivou a fazer Ciência da Computação?

Eu sempre tive interesse por Computação. Comecei cedo na área, quando ganhei meu primeiro 386 em 1992, isso sem contar o TK3000 que eu ganhei quando era criança e o MSX de um amigo, com o qual eu passava horas digitando códigos em BASIC que na época se comprava em banca de jornal. Na minha primeira tentativa de entrar na faculdade, eu prestei Engenharia Mecatrônica. Eu acho que naquela eu era muito influenciado pelo que meus pais falavam e eles comentavam muito sobre essa tal de Mecatrônica. Eu prestei sem nem saber direito o que era e tive a grande sorte de não ter entrado 🙂
No ano seguinte, fiz cursinho e estudei melhor quais eram as faculdades que existiam e o que elas ofereciam. Achei que Ciência da Computação se encaixava exatamente no que eu gostava de fazer: software.

2 – O que o levou na época a escolher o BCC da USP?

Estava dentro dos meus objetivos fazer uma faculdade pública e gratuita. Não queria mais que meus pais tivessem gastos com meus estudos e me sentia capaz de entrar numa Universidade pública boa. Prestei UNESP, UNICAMP e USP, além do Mackenzie. A única que eu não entrei, por muito pouco, foi a UNICAMP. Mas mesmo se tivesse entrado, acho que escolheria a USP, não por eu considerar a melhor (acho que UNICAMP e USP são equivalentes), mas pelo fato de eu já morar em São Paulo.

3 – Como você avaliaria sua formação no BCC?

Continue reading