Evolução do Ecossistema de Startups: um Modelo de Maturidade

“Ecossistema de startups de São Paulo ainda é pouco maduro”, diz autor doutorado no tema

Daniel Cukier, doutorando do IME-USP, estudou as startups de São Paulo, Nova Iorque e Tel Aviv e criou método para avaliar maturidade do ecossistema. Defesa do trabalho será no Campus do Google

Os chamados ecossistema de startups não são novos.  Alguns desses centros tecnológicos compostos pela relação entre  empreendedores, universidades, empresas, incubadoras, aceleradoras, fundos de investimentos, entre outros já existem há mais de 50 anos, como no Vale do Silício, um dos mais antigos do mundo e de onde saíram gigantes da tecnologia como Google, Facebook, Apple.

Com o avanço da internet, dos dispositivos móveis e dos serviços de nuvem, as startups se tornaram assunto da moda, fazendo surgir novos ecossistemas ao redor do mundo. “É um desafio comparar centros de inovação, pois têm graus de evolução e maturidade diferentes. Aprender com os exemplos é importante, mas sem imitá-los. Cada ecossistema tem que focar nas suas qualidades e necessidades”, diz Daniel Cukier, aluno de doutorado do grupo de empreendedorismo digital do Departamento de Ciência da Computação do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo.

Ele passou os últimos 6 anos analisando startups de vários ecossistemas, entrevistando dezenas de empreendedores em Tel Aviv, São Paulo e Nova Iorque, além de outros agentes importantes como fundos de investimentos, gestores de universidades, aceleradoras, incubadoras e gestores públicos.

O doutorando desenvolveu, junto com seu orientador, Prof. Fabio Kon, uma metodologia para avaliar o grau de evolução de cada ecossistema em 4 níveis: (1) Nascente, (2) Evoluindo, (3) Maduro, (4) Autossustentável. A tese “Evolução do ecossistema de startups: um modelo de maturidade”,  coloca Nova Iorque e Tel Aviv no grau 4 de evolução, enquanto São Paulo é avaliado com nota 2. Para ser considerado “autossustentável”, o ecossistema precisa de tempo e muito trabalho para amadurecer.

As principais sugestões de melhoria para São Paulo apontados pela pesquisa são:

  • Criação de mais eventos sobre empreendedorismo

  • Fomento à educação de técnicas de empreendedorismo nas universidades

  • Aumentar a prática de compartilhamento de casos de sucesso

  • Diminuir o risco para empreender, com políticas tributárias diferenciadas para startups e menor burocracia

  • Aumento do investimento em startups tanto de agências de fomento e instituições públicas quanto de grupos privados.

A metodologia criada permite também analisar outros importantes ecossistemas brasileiros como Campinas, Belo Horizonte, Florianópolis, Recife, identificando lacunas e propondo ações práticas e personalizadas que possam resultar em melhorias significativas e levar esses ecossistemas ao próximo nível de desenvolvimento.

A defesa de doutorado será apresentada no dia 2 de maio de 2017 no auditório do Google Campus, um dos mais importantes espaços para empreendedorismo da capital. “Faz muito sentido que a defesa de um trabalho que reflete, entre outras coisas, sobre o envolvimento da universidade com o ecossistema empreendedor, seja feita em um espaço que respira inovação, como o Google Campus ”, disse o orientador, Fabio Kon.

A banca examinadora terá alguns nomes de peso da academia, como Ary Plonsky da FEA-USP, Marcelo Nakagawa do INSPER, Paulo Lemos da UNICAMP, além da presença internacional da pesquisadora especialista em startups Xiaofeng Wang, da Universidade de Bolzano, Itália.

O evento é gratuito e aberto ao público em geral. Inscrições com vagas limitadas pelo link http://bit.ly/defesa-doutorado

Horário: 2/5/2017 – 14h

Local: Google Campus – Rua Coronel Oscar Porto, 70 – Paraíso

 

18049858_10155166631881250_1545781179_o.jpg

 

Convite – exame de qualificação doutorado – Startup Ecosystem Framework

Convido colegas e professores ao meu exame de qualificação de Doutorado em Ciência da Computação, trabalho do grupo de pesquisa em Empreendedorismo de Software do IME-USP

Título: Startup Ecosystem Framework

Candidato: Daniel Cukier
Data: Terça-feira, 31 de março de 2015
Horário: 10:00 horas
Local: IME-USP, sala 2 – Bloco B

Comissão julgadora:

MEMBROS TITULARES
Prof. Dr. Fabio Kon (Presidente) IME – USP
Prof. Dr. Guilherme Ary Plonski FEA – USP
Prof. Dr. Paulo Antonio Borges Lemos UNICAMP

MEMBROS SUPLENTES
Prof. Dr. Marco Aurélio Gerosa IME – USP
Prof. Dr. Martinho Isnard Ribeiro de Almeida FEA – USP

Resumo:

After the popularization of Internet in the 90s and the mobile technologies in the 2000s, we saw an amazing growth on creation of new high-tech companies around the globe. Most of these companies, known as startups, are born in technology clusters also called startup ecosystems. The objective of this PhD research is to advance the understanding of how software startups work, what are the elements that influence their behavior and how startups relate with other players in their ecosystem. For that, we are developing a conceptual framework model by using qualitative research techniques. In these presentation, we will explain the methodology, as well as the preliminary results for both São Paulo and Israeli ecosystems and the expected outputs of a third case-study in a mature ecosystem

Mestrado e doutorado no IME-USP

Venha fazer doutorado e mestrado no IME-USP!!! Veja as informações abaixo:

As inscrições para o mestrado em  Ciência da Computação no IME/USP (campus de São Paulo, capital) vão até 31 de outubro de 2011 (data de postagem dos documentos). As inscrições para o doutorado são aceitas em fluxo contínuo.

PÓS-GRADUAÇÃO no IME-USP
DOUTORADO E MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Informações gerais sobre o programa de pós-graduação:
Continue reading

Small EC2 cloud usage demo for choreographies

The CHOReOS middleware must be capable of providing the required runtime support to deploy, enact, monitor, and dynamically reconfigure large-scale choreographies. These choreographies might be large scale in one or more of the following dimensions: number of requests, users, roles, services, nodes, and communication among services. For instance, the middleware should be scalable enough to accommodate choreography with 1 thousand simultaneous users or with 100 different roles, or with 100 services for a given role, or with thousands of messages exchanged per second.

Continue reading

Palestra: Investigações em Arte Digital e Processamento de Imagens

Palestrante: Prof.Dr. Giorgio Moscati

Horário: 16 horas

Resumo: Uma contribuição inovadora da USP nas suas origens, em 1969, em colaboração com o renomado Artista Concretista Waldemar Cordeiro participei de uma rica experiência em Arte Digital, que foi logo reconhecida por especialistas internacionais como inovadora, e continua sendo amplamente citada até hoje. Pretendo relatar nossa colaboração, sua receptividade pelos artistas e a relação que tem com diversas áreas da Ciência, Arte e Tecnologia. O trabalho foi inovador no campo das tecnologias de comunicação visual, pois é considerado um dos primeiros trabalhos que envolveu processamento de imagem num novo nível, que hoje é a base da comunicação visual na televisão, e nas imagens apresentadas para o lazer e marketing. Foi também precursor no campo da análise de informações obtidas na forma de imagens e para sua interpretação. Outro aspecto importante, frequentemente lembrado é o da potencialidade da colaboração entre  especialistas em áreas diversas, capazes de se comunicar e interagir, em abordagens inovadoras em campos anteriormente inexplorados.
Continue reading

Better Science Through Art

CCSL sponsors the coming of two big names of Computer Science to Brazil. They will be here next week (March 30th, 31th), at the Event “Better Science Through Art” with Joe Yoder and Richard Gabriel. The event will be awesome and FREE!

Common wisdom says that science and art are entirely different beasts; moreover, a similar source of wisdom tells us that science is valuable to society while art is a luxury. Why else would schools drop art from their curricula over the past 20 years? But artists and scientists approach their work in similar if not identical ways.
Continue reading